Laboratório de Neurofisiologia do Comportamento

Linhas de Pesquisa

  1. Regulação da Emoção: efeitos sobre o comportamento e a reatividade cerebral.

A regulação da emoção é a capacidade alterar a resposta emocional através da utilização de estratégias conscientes ou inconscientes. A persistência de emoções negativas e a incapacidade de regular as emoções podem ser fatores determinantes para o desenvolvimento e prognóstico de diversos transtornos psiquiátricos. Esta linha de pesquisa visa investigar a capacidade dos indivíduos de alterar suas repostas emocionais e o circuito neural subjacente aos mecanismos desta regulação. Adicionalmente, serão investigados voluntários expostos à situações de violência urbana e com sintomas de estresse pós-traumático. Particularmente, pretendemos investigar a capacidade destes indivíduos em regular suas respostas emocionais e como a variabilidade individual interage com a capacidade de utilização de uma estratégia específica. Para isto, investigaremos se os estímulos podem ter seu impacto emocional modificado por meio de duas estratégias de regulação emocional específicas: (a) redução de recursos de atenção para o processamento de estímulos emocionais (distração cognitiva) através da realização de uma tarefa de atenção de alta demanda; (b) reavaliação implícita dos estímulos emocionais de modo a atenuar sua relevância biológica e capacidade de capturar atenção.

  1. Impacto da visualização de imagens de violência urbana: um estudo da cascata defensiva em humanos.

As complexas redes de estruturas neurais para os estímulos de ameaça permitem a rápida percepção do perigo em potencial e fornecem uma ampla variedade de estratégias defensivas, tais como congelamento, luta ou fuga e imobilidade tônica. Quando uma experiência emocional vivida é extremamente estressante, como, por exemplo, em um assalto, nem todas as pessoas conseguem superar o evento traumático e levar uma vida normal. Algumas delas podem desenvolver um transtorno de ansiedade conhecido como Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT). A ocorrência de um evento traumático é um aspecto necessário para o desenvolvimento da doença, porém pesquisas recentes têm sido realizadas no intuito de identificar fatores de vulnerabilidade para o desenvolvimento deste transtorno. Nesta linha, estamos interessados em avaliar como a experiência de um indivíduo com situações de violência pode influenciar o seu comportamento, suas respostas autonômicas (frequência cardíaca e condutância da pele) e a reatividade cerebral à estímulos desagradáveis de violência e como este padrão pode ser modulado por diferentes fatores. Mais especificamente, avaliar a importância da direcionalidade do estímulo emocional e como a magnitude dos sintomas de TEPT apresentados por um indivíduo pode modificar suas respostas comportamentais, autonômicas e cerebrais.

  1. Interação entre atenção e emoção e seus efeitos sobre o comportamento.

O interesse deste projeto é elucidar de que forma os sistemas emocionais e atencionais interagem para direcionar o comportamento.  Atenção e a emoção têm sido estudadas de maneira bastante independente no passado e o desafio deste projeto é contribuir para o entendimento da influência mútua que estes dois sistemas exercem um sobre o outro.  Nesta linha objetivamos investigar o efeito da apresentação de figuras emocionais positivas e negativas sobre o comportamento e como estes efeitos podem ser modificados pela execução de tarefas atencionais com diferentes níveis de demanda cognitiva.

  1. Executando ações em contextos positivos.

A finalidade desta linha é avançar no conhecimento dos mecanismos psicofisiológicos que são subjacentes às emoções positivas, utilizando como principal paradigma de investigação a visualização de imagens altamente positivas (afiliativas) e examinando seus efeitos moduladores sobre as respostas motoras comportamentais.

  1. Mecanismos neurais subjacentes ao conflito em uma tarefa Stroop com pareamento.

A nomeação da cor de um estímulo é retardada quando este é composto por uma palavra incongruente à cor em que ele se apresenta (ex.: a palavra AMARELO escrita em azul), fenômeno denominado efeito Stroop. Esta linha visa estudar os mecanismos subjacentes ao conflito presente nesta tarefa. Para isso são feitas manipulações temporais em uma tarefa de pareamento entre dois estímulos (sendo um deles o estímulo Stroop e são utilizadas medidas comportamentais (tempo de reação) e medidas cerebrais (eletroencefalografia).

  1. Neurociências e controle do tabagismo.

Objetivos desta linha: (i) Avaliação do impacto emocional de advertências sanitárias para o controle do tabagismo. (ii) Elaboração e testagens de novas advertências sanitárias para o controle do tabagismo. Sob os auspícios da Organização Mundial de Saúde foi elaborado pela primeira vez na história um tratado (Convenção Quadro para o Controle do Tabaco, 2005) dedicado à saúde pública envolvendo estratégias para controlar a epidemia do tabagismo. O governo do Brasil é signatário do tratado e tem se destacado mundialmente em relação às políticas de controle do tabaco. Dentre as recomendações estão a utilização de imagens aversivas em advertências sanitárias nas embalagens de produtos derivados do tabaco. Considerando que as imagens devem ser substituídas regularmente para que não percam o impacto e visando ampliar a divulgação de informações sobre os malefícios do tabagismo, o Ministério da Saúde passou a investir esforços para inovar na construção de um novo conjunto de advertências sanitárias. Com este objetivo, sob a liderança do INCa, foi criado o Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Informação para Prevenção. Esse grupo trabalhou no desenvolvimento e em testes do impacto emocional de protótipos de novas advertências. Os resultados serviram de base para a seleção de 10 novas advertências com potencial para induzir repulsa aos produtos derivados do tabaco, ajudando as pessoas a pararem de fumar e prevenindo a iniciação de novos consumidores. A construção das novas advertências através deste trabalho inovador e multi-disciplinar teve destacada repercussão internacional e tem servido de modelo para as ações de controle de tabagismo em vários países.

  1. Investigação da vulnerabilidade e resistência ao estresse.

Nesta linha investigamos as respostas psicofisiológicas à estimulação aversiva e a capacidade de regulação dessas respostas. O presente projeto visa estabelecer como as predisposições emocionais podem modular as respostas a contextos estressantes em voluntários saudáveis e em pacientes com distúrbios psiquiátricos. Também investigaremos como e em que circunstâncias, a indução de um estado de afeto mais positivo é capaz de aumentar a resistência (resiliência) ao estresse. Pretendemos investigar os substratos neurobiológicos que conferem uma maior capacidade de enfrentar situações estressantes com conseqüências patológicas mínimas e extrair desse conhecimento dados que permitam propor estratégias de prevenção e de atenuação dos efeitos deletérios para a saúde.

  1. Aspectos biológicos do comportamento alimentar.

Pretendemos através desta linha de pesquisa, avaliar, através de medidas psicométricas e do registro eletroencefalográfico, se advertências textuais são capazes de modular a avaliação subjetiva e a resposta cerebral do indivíduo frente a imagem de um alimento de alto valor calórico e baixo valor nutricional.

Últimas publicações

CALAZA, K.; ERTHAL, F.; PEREIRA, M.; MACARIO, K.; DAFLON, V.; DAVID, I.; CASTRO, H.; VARGAS, M.; MARTINS, L.; STARIOLO, J.; VOLCHAN, E.; OLIVEIRA, L. Facing Racism and Sexism in Science by Fighting against Social Implicit Bias: A Latin and Black Woman Perspective. Preprint version, 2021. https://www.preprints.org/manuscript/
202101.0236/1

GAMA, C. M. F.; PORTUGAL, L. C. L.; GONÇALVES, R. M.; SOUZA JUNIOR, S.; VILETE, L. M. P.; MENDLOWICZ, M. V.; FIGUEIRA, I.; VOLCHAN, E.; DAVID, I. A.; OLIVEIRA, L.; PEREIRA, M.G. The invisible scars of emotional abuse: a common and highly harmful form of childhood maltreatment. BMC Psychiatry, 21:156, 2021. https://doi.org/10.1186/s12888-021-03134-0

Skip to content